Morre aos 51 anos Arlindo Júnior, o eterno Pop da Selva

Ele lutava contra um câncer desde 2016 e estava internado em Manaus desde quinta-feira

Morreu às 22h20 deste domingo, dia 29, aos 51 anos de idade, o cantor Arlindo Pedro da Silva Júnior, ex-vereador de Manaus, ex-subsecretário de Cultura do Amazonas, ex-secretário de Cultura da capital, eterno apresentador do boi bumbá Caprichoso.

Arlindo lutava contra um câncer de pulmão desde 2016, estava internado desde quinta-feira, dia 26, no Hospital Samel, no Centro de Manaus, e teve o quadro agravado na madrugada de hoje.

No fim da tarde, precisou se submeter a hemodiálise; à noite, um de seus rins parou, por volta das 23h ele teve uma parada cardíaca e em seguida morreu.

O artista deixa viúva Rosilene Dourado e órfãos cinco filhos.

Trajetória na toada

Manauara do samba e do pagode, foi com a toada de boi bumbá que Arlindo Júnior aconteceu para a música, como levantador do Caprichoso.

Sua entrada no ritmo aconteceu em 1988, quando foi a Parintins para uma festa de samba.

Lá, foi convidado pelo compositor José Carlos Portilho a participar da gravação do primeiro LP do boi Caprichoso e no ano seguinte, em 1989, defendeu na arena do Bumbódromo o item 2, do Touro Negro.

Ele revolucionou o item, transformando a acanhada brincadeira num espectáculo, fato que lhe o título de “O Pop da Selva”.

Até sua chegada ao posto, os levantadores se apresentavam como apoiadores do apresentador do espetáculo.

Ele, porém, introduziu movimentos na apresentação, passou a se apresentar com roupas produzidas e a comandar festas, além da disputa.

Arlindo também teve grande contribuição na divulgação do boi de Parintins em Manaus. E foi por causa do espetáculo que apresentava que as casas de shows da capital abriram as portas para o ritmo que chegava do interior.

Marcas do pop

Foto: BNC AMAZONAS

Fonte: NEWS AM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *